Quinta da Esteveira...

Aqui se produzem os melhores vinhos do douro e porto. Vinhos tintos com grande concentração de cor, aromas intensos e delicados.

Quinta da Esteveira, localiza-se nas margens do Rio Torto,   freguesia de Ervedosa do Douro e Castanheiro do Sul, Concelho de São João da Pesqueira. Possui cerca de 50 ha de vinha plantada maioritariamente em socalcos. As castas instaladas são a Touriga Franca (plantação ao alto e Patamares), Tinta Roriz, Tinta Barroca e Tinto Cão, Touriga Nacional, Sousão e ainda outras castas em  quantidade pouco relevante.

Através das uvas produzidas nestas propriedades nascem os vinhos das marcas, Quinta da Esteveira, Quinta do Fail,  Casal dos Jordões, entre outras…

As vindimas são efectuadas de forma tradicional, sendo as uvas transportadas em caixas de aproximadamente 25 quilos até à nossa adega, que se encontra a cerca de 15 km de distância.

O tempo médio entre colheita das uvas e a sua chegada à adega é de cerca de 40 minutos.

Desta forma as uvas chegam sempre, em excelente estado de conservação e frescura, inteiras, frescas, sãs. Só neste estado é possível produzir vinhos de qualidade, exemplares únicos na região e no mundo.

São prova disto os mais diversos prémios internacionais e nacionais, que nos foram atribuídos.

A propriedade está desde 1870 na posse da família Jordão, deve a sua maior expansão ao anterior proprietário “Engº Arlindo C. Pinto e Cruz”. É com ele que se inicia o processo de comercialização dos vinhos do “Douro” e “Porto” em 1994. É também com ele que se inicia a internacionalização da empresa e dos vinhos, a conversão ao modo de produção Biológico (Agricultura Biológica).

Estamos nesta altura em plena implantação do HACCP, por forma a dar ao consumidor todas as garantias de segurança e higiene dos nossos produtos, bem como garantir aos nossos colaboradores condições de trabalho dignas, seguras e satisfatórias. 

 

Agricultura Biológica

«Agricultura orgânica ou agricultura biológica é o termo frequentemente usado para a produção de alimentos e produtos animais e vegetais que não faz uso de produtos químicos sintéticos ou alimentos geneticamente modificados, e geralmente adere aos princípios de agricultura sustentável. A sua base é holística e põe ênfase no solo. Os seus proponentes acreditam que num solo saudável, mantido sem o uso de fertilizantes e pesticidas feitos pelo homem, os alimentos tenham qualidade superior a de alimentos convencionais. Em diversos países, incluindo os Estados Unidos (NOP - National Organic Program), o Japão (JAS - Japan Agricultural Standard), a (BioSuisse) a União Europeia (CEE 2092/91), a (AOS - Australian Organic Standard / ACO - Australia Certified Organic) e o Brasil (ProOrgânico - Programa de Desenvolvimento da Agricultura Orgânica [→ IN007]), a agricultura orgânica é definida por lei e regulamentada pelo governo. Sistema de produção que exclui o uso de fertilizantes, agrotóxicos e produtos reguladores de crescimento, tem como base o uso de estercos animais, rotação de culturas, adubação verde, compostagem e controle biológico de pragas e doenças. Esse sistema pressupõe a manutenção da estrutura e da profundidade do solo, sem alterar suas propriedades por meio do uso de produtos químicos e sintéticos. A agricultura orgânica está diretamente relacionada ao desenvolvimento sustentável.»

(wikipedia)

O que é a agricultura Biológica?

«A Agricultura Biológica é um sistema de produção holístico, que promove e melhora a saúde do ecossistema agrícola, ao fomentar a biodiversidade, os ciclos biológicos e a actividade biológica do solo. Privilegia o uso de boas práticas de gestão da exploração agrícola, em lugar do recurso a factores de produção externos, tendo em conta que os sistemas de produção devem ser adaptados às condições regionais. Isto é conseguido, sempre que possível, através do uso de métodos culturais, biológicos e mecânicos em detrimento da utilização de materiais sintéticos.»

Codex Alimentarius Comission, FAO/WHO, 1999

VANTAGENS DO CONSUMO DE PRODUCTOS DE AGRICULTURA BIOLÓGICA

Cultivados em solos equilibrados por fertilizantes naturais, os alimentos biológicos são capazes de melhor qualidade quanto ao teor em vitaminas, minerais, hidratos de carbono e proteínas, são capazes de saciar graças ao equilíbrio dos seus constituintes.

A diminuição da diversidade biológica é um dos principais problemas ambientais dos dias de hoje. A Agricultura Biológica perpetua a diversidade das sementes e das variedades locais, recusa os OGM que põem em perigo numerosas variedades de grande valor nutritivo e cultural.

Nos solos regenerados e fertilizados organicamente, as plantas crescem saudáveis e desenvolvem, da melhor forma, o seu verdadeiro aroma, as suas autênticas cor e sabor, os quais permitem redescobrir o verdadeiro gosto dos alimentos originalmente não processados.

A Agricultura Biológica respeita o equilíbrio da Natureza e contribui para um ecossistema saudável. O equilíbrio entre a agricultura e a floresta as rotações das culturas, etc. permitem a preservação de um espaço rural capaz de satisfazer as gerações vindouras.

Numerosos pesticidas proibidos em determinados países devido à sua toxicidade continuam a ser utilizados, por vezes vendidos ilegalmente e obtidos por contrabando. Os estudos toxicológicos reconhecem as relações existentes entre os pesticidas e certas patologias, como o cancro, as alergias e a asma.

A Agricultura Biológica permite a revitalização da população rural e restitui aos agricultores a verdadeira dignidade e o respeito que lhe são merecidos, da população em geral pelo seu papel de guardião da paisagem e dos ecossistemas agrícolas

A prática de agricultura ecológica, que não utiliza produtos perigosos nem grandes quantidades de azoto que contaminam os lençóis de água potável, é uma garantia permanente da obtenção de água pura nos tempos futuros.

A Agricultura Biológica é uma grande escola prática de Educação Ambiental. Ela apresenta um modelo de desenvolvimento sustentável no meio rural, deveras promissor para todos os jovens a quem, um dia, caberão as tomadas de decisão da sociedade.

Os produtores agrobiológicos seguem um caderno de normas rigoroso, controlado por organismos de certificação segundo regras internacionais reconhecidas, hoje em dia, pelos governos de inúmeros países.

Graças à dimensão humana que estas explorações assumem, às práticas ecológicas e à gestão adequada dos recursos locais. os produtores agrobiológicos geram oportunidades de criação de empregos permanentes e dignos.»

IIRHE - Jean-Claude Rodet

 

 

 

Casal dos Jordões - Agricultura Biológica Foryou